Para fins de melhorar a sua experiência, este site usa atualmente cookies. Eu Compreendo
Página Inicial
<   MAIO 2022   >
SEG TER QUA QUI SEX SAB DOM
1
2 3 4 5 6 7 8
9 10 11 12 13 14 15
16 17 18 19 20 21 22
23 24 25 26 27 28 29
30 31 1 2 3 4 5

Apresentado Plano de Ação para a Prevenção da Violência no Setor da Saúde

Apresentado Plano de Ação para a Prevenção da Violência no Setor da Saúde
20 de Janeiro de 2022

A Ordem dos Nutricionistas participou, esta quinta-feira, na sessão de apresentação do Plano de Ação para a Prevenção da Violência no Setor da Saúde (PAPVSS), organizado pela Direção-Geral da Saúde (DGS).


Este Plano de Ação, integrado no Programa Nacional de Prevenção da Violência no Ciclo de Vida da DGS vem dar maior destaque ao que tem vindo a ser feito no Serviço Nacional de Saúde (SNS), designadamente o Observatório Nacional da Violência Contra os Profissionais de Saúde no Local de Trabalho, o Sistema Nacional de Notificação de Incidentes e o Gabinete de Segurança para a Prevenção e o Combate à Violência Contra os Profissionais de Saúde.


A Bastonária da Ordem dos Nutricionistas, Alexandra Bento, teve, ainda, a oportunidade de apresentar uma reflexão sobre a abordagem nas situações que envolvem violência sobre os profissionais de saúde. Destacando que este tema deve manter-se na agenda pública, política e mediática, dada as consequências para a saúde física e mental dos profissionais de saúde, bem como nos cuidados que prestam e, sobretudo, na qualidade da relação que desenvolvem com utentes do SNS.


A violência contra os profissionais da saúde no local de trabalho tem vindo a revelar-se um problema não só em Portugal, mas também à escala global. Estima-se que, mundialmente, cerca de 50% dos profissionais da saúde sofram pelo menos um episódio de violência física ou psicológica anualmente.


De janeiro a outubro de 2021, a DGS recebeu 752 notificações de violência contra profissionais de saúde. Um aumento de 4% face a igual período de 2020. O principal grupo profissional que notificou estas situações foram os enfermeiros (32%), seguindo-se os médicos (31%) e os assistentes técnicos (30%). Não havendo dados disponíveis sobre outros profissionais de saúde, como é o caso dos nutricionistas, revela-se por isso importante conseguir-se uma desagregação dos dados constantes nas notificações de violência.


A violência psicológica representa a principal tipologia de violência (63%), seguindo-se a violência física (17%) e o assédio moral (14%). São números expressivos, no entanto, teme-se que haja ainda muitas situações que não estejam a ser alvo de notificação.


Este Plano de Ação é um importante instrumento estratégico norteador da política pública de saúde na resposta a um fenómeno nada isento de complexidade que é a violência no setor da saúde. Mas, per si não resolve o problema da violência no setor da saúde, pelo que é necessária uma ação concertada, continuada e conjunta dos vários atores da saúde.