Para fins de melhorar a sua experiência, este site usa atualmente cookies. Eu Compreendo
Página Inicial
<   JUNHO 2022   >
SEG TER QUA QUI SEX SAB DOM
1 2 3 4 5
6 7 8 9 10 11 12
13 14 15 16 17 18 19
20 21 22 23 24 25 26
27 28 29 30 1 2 3

OMS divulga Relatório da Obesidade 2022 e alerta para o agravamento da doença na Europa

OMS divulga Relatório da Obesidade 2022 e alerta para o agravamento da doença na Europa
05 de Maio de 2022

A Organização Mundial da Saúde (OMS) divulgou esta terça-feira, dia 03 de maio, o Relatório da Obesidade 2022, que concluiu que a obesidade e o excesso de peso têm dimensão de epidemia na Europa e que a doença poderá ter agravado “de forma alarmante” com a pandemia de COVID-19.  


59% da população adulta e 1 em cada 3 crianças em idade escolar europeias têm excesso de peso ou obesidade, um panorama que foi poderá ter sido agravado pelas restrições impostas pela pandemia de COVI-19 que poderão ter conduzido a inadequados hábitos alimentares e padrões de atividade física. Perante o cenário, a OMS alerta que nenhum estado membro vai conseguir alcançar a meta anteriormente estabelecida que previa travar o aumento da obesidade até 2025.

 

Entre a população adulta na região europeia da OMS, há uma prevalência de 59% de excesso de peso, com os homens a liderarem (63%). Por sua vez, a obesidade atinge 23,3% da população desta região.

 

Também nas crianças em idade escolar e nos adolescentes o retrato é preocupante: 1 em cada 3 crianças tem excesso de peso ou obesidade, e na  adolescência 1 em cada 4.

 

A OMS alerta para as graves consequências para a saúde do excesso de peso e da obesidade, nomeadamente para o risco aumentado de casos de cancro, e salienta que se estima 1,2 milhões de mortes anuais poderão resultar diretamente deste problema.

 

Como recomendações, a OMS, à semelhança do que a Ordem dos Nutricionistas tem vindo a defender, aponta as medidas económicas de promoção do consumo de frutas e produtos hortícolas; a implementação de programas e campanhas de educação alimentar; a implementação de campanhas nacionais de alimentação saudável; e a obrigatoriedade de esquemas de rotulagem nutricional na frente da embalagem nos produtos alimentares.

 

No caso português e, neste âmbito, a OMS destaca positivamente a lei da publicidade dirigida a crianças que “restringe a publicidade de bebidas e alimentos ricos em gordura, sal e açúcar”, reforçando que é necessário um sistema de monitorização rigoroso “especialmente com as novas tecnologias e técnicas" do marketing digital.

 

Para além disso, o Relatório da Obesidade 2022 recomenda que a disponibilização de alimentos em ambientes públicos promova uma alimentação saudável e que haja uma monitorização e controlo apertado dos produtos alimentares à venda junto de estabelecimentos de ensino, bem como que se monitorize a prevalência da obesidade ao longo do ciclo de vida.