Para fins de melhorar a sua experiência, este site usa atualmente cookies. Eu Compreendo
Página Inicial
<  JUNHO 2024  >
SEG TER QUA QUI SEX SAB DOM
1 2
3 4 5 6 7 8 9
10 11 12 13 14 15 16
17 18 19 20 21 22 23
24 25 26 27 28 29 30

Famílias podem poupar com cabaz de produtos a IVA zero

Famílias podem poupar com cabaz de produtos a IVA zero
28 de Março de 2023

A bastonária da Ordem dos Nutricionistas faz uma avaliação positiva do cabaz de 44 alimentos a IVA zero. A lista foi conhecida e aprovada, na segunda-feira, em Conselho de Ministros e dá, esta terça-feira, entrada na Assembleia da República.


Os bens alimentares escolhidos foram selecionados tendo em conta o cruzamento entre os alimentos saudáveis e aqueles que os portugueses mais consomem. Em declarações à TSF, Alexandra Bento garante que através deste cabaz vai conseguir-se poupar algum dinheiro.


"Claro que em famílias que têm dificuldades económicas tudo é bom, mas também ao mesmo tempo tudo parece pouco. Mas devo dizer que a Ordem dos Nutricionistas fez algum exercício com um cabaz alimentar saudável, com o IVA que está até este momento e com a retirada do IVA nestes essenciais e o que conseguimos visionar é que, num ano inteiro, uma família composta por pai, mãe e o seu filho adolescente, a poupança que resultava ao final de um ano situava-se na casa dos 400 euros. Ora, quando falamos em 400 euros num ano inteiro, é dinheiro", explica a bastonária.


O cabaz de produtos com IVA zero apresentado na segunda-feira pelo Governo inclui atum em conserva e bacalhau, além de vários tipos de frutas, legumes, laticínios, carne e ovos, para combater a subida dos preços alimentares.

A lista conta com vários produtos essenciais, como pão, batatas, massa e arroz e vários legumes, incluindo cebola, couve portuguesa e brócolos.

Entre os 44 produtos apresentados estão ainda frango, carne de porco e azeite. Este cabaz resulta de um acordo entre o Governo, a Confederação dos Agricultores de Portugal e a Associação Portuguesa das Empresas de Distribuição e passa por fazer baixar o preço nos produtores a troco de apoios que compensem o aumento dos fatores de produção. Aos distribuidores caberá garantir que a baixa de preços tem repercussões no retalho e chegue aos consumidores


Fonte: TSF