Para fins de melhorar a sua experiência, este site usa atualmente cookies. Eu Compreendo
Página Inicial
<  MAIO 2024  >
SEG TER QUA QUI SEX SAB DOM
1 2 3 4 5
6 7 8 9 10 11 12
13 14 15 16 17 18 19
20 21 22 23 24 25 26
27 28 29 30 31 1 2

A EMENTA DA ORDEM DOS NUTRICIONISTAS PARA COMER POR MENOS DE 7 EUROS POR DIA, DE SEGUNDA A SEXTA-FEIRA

A EMENTA DA ORDEM DOS NUTRICIONISTAS PARA COMER POR MENOS DE 7 EUROS POR DIA, DE SEGUNDA A SEXTA-FEIRA
03 de Abril de 2023


Há dois ingredientes essenciais para se comer de forma saudável e o mais economicamente possível: mais literacia sobre a alimentação e muita ginástica financeira. Mas a receita existe e a bastonária da Ordem dos Nutricionistas, Alexandra Bento, partilhou-a com o Observador: é uma ementa de cinco dias que permite comer todos os dias úteis, desde o pequeno-almoço até ao jantar, por menos de sete euros por dia e por menos de 30 euros de segunda a sexta-feira.

Estes são os preços mínimos possíveis atualmente (foram calculados já no final de março com os preços em vigor nesse momento) para um adulto saudável seguir uma alimentação equilibrada e consumir uma média de 2.000 calorias por dia - o valor tipicamente aconselhado para um indivíduo sem necessidades nutricionais especiais.

São, na verdade, preços quase 32% superiores aos valores praticados há sete anos: em 2016, a mesma ementa sugerida pela Ordem dos Nutricionistas custava menos de cinco euros por dia e pouco mais de 20 euros a cada cinco dias.


O menu de cinco dias a menos de 30 euros por pessoa Segunda-feira Custa 6,70 euros por pessoa. Em 2016, custava 4,39 euros

  • Pequeno-almoço: iogurte líquido, pão de mistura com compota, banana.
  • Merenda da manhã: iogurte líquido com flocos de trigo integral e uvas.
  • Almoço: sopa de hortícolas; bacalhau no forno com batata e couve lombarda; laranja.
  • Merenda da tarde: sumo de laranja e pão de mistura com queijo de barrar.
  • Jantar: sopa de hortícolas; rancho de peru com couve portuguesa; pera.


Terça-feira

Custa 6,00 euros por pessoa. Em 2016, custava 3,78 euros

  • Pequeno-almoço: leite, pão de mistura com manteiga; pera.
  • Merenda da manhã: iogurte sólido; banana.
  • Almoço: sopa de hortícolas; omelete de legumes e hortícolas com arroz branco; ananás dos Açores.
  • Merenda da tarde: tostas integrais com queijo fresco; kiwi.
  • Jantar: sopa de hortícolas; cavala assada no forno com tomate e arroz; maçã.


 

Quarta-feira

Custa 5,57 euros por pessoa. Em 2016, custava 3,64 euros

  • Pequeno-almoço: iogurte sólido, cereais de trigo integral; kiwi e nozes.
  • Merenda da manhã: pão de mistura; banana.
  • Almoço: sopa de hortícolas; arroz de sardinha com pimentos e tomate; pera.
  • Merenda da tarde: tostas integrais com compota e uvas.
  • Jantar: sopa de hortícolas; massa de frango com cenoura; maçã.


Quinta-feira Custa 5,86 euros por pessoa. Em 2016, custava 4,51 euros

  • Pequeno-almoço: pão de mistura com queijo fresco e sumo de laranja.
  • Merenda da manhã: iogurte sólido com flocos de aveia.
  • Almoço: sopa de hortícolas; costeleta de porco grelhada com arroz de brócolos; maçã.
  • Merenda da tarde: chá verde, pão de mistura e nozes.
  • Jantar: sopa de hortícolas; pescada com molho de cebola, batata e grelos; kiwi.


Sexta-feira Custa 5,49 euros por pessoa. Em 2016, custava 3,84 euros

  • Pequeno-almoço: panqueca de banana. Merenda da manhã: iogurte líquido; pêra.
  • Almoço: sopa de hortícolas; arroz de repolho e cenoura com filete de pescada e tomilho; laranja.
  • Merenda da tarde: leite com café e pão de mistura com manteiga.
  • Jantar: sopa de hortícolas; bife de frango de cebolada e pimentos com batata cozida; e maçã.


Este é um ponto de partida, mas não pode ser o único avisou Alexandra Bento em entrevista ao Observador. "Não podemos dissociar esta questão da necessidade de aumentar a literacia da população nas questões alimentares, por exemplo nas escolas", defendeu.

Para se conseguir cumprir a dieta sugerida pela bastonária com os preços calculados pela Ordem dos Nutricionistas, as dicas não bastam: "Auxiliam", concorda ela, "mas é preciso um trabalho de fundo, que tem de ser intensificado para aumentar a literacia da população".

Em outubro do ano passado, mesmo com "muita disciplina" e "muita ginástica", uma pessoa bem informada sobre como fazer boas escolhas alimentares podia gastar cerca seis euros por dia em refeições. Volvidos cinco meses, a mesma pessoa já gasta 7,20 euros diariamente com alimentação.

São 216 euros por mês em vez dos 180 euros que se gastavam em outubro de 2022. Ao fim de um ano, os 2.160 euros para gastos com a alimentação ao longo de 12 meses, com os preços de há cinco meses transformaram-se em 2.592 - mais 432 euros do que as estimativas iniciais.

 

13 dicas da Ordem dos Nutricionistas para comer bem e (mais) barato

 

Mas há "pequenas mudanças" que "podem ser muito importantes para reduzir os custos" e que podem ser "determinantes", concorda a bastonária. É uma lista de 13 regras que começam na cozinha, de caneta e bloco de notas em punho, e que culmina nos corredores do supermercado. São as seguintes:


  • Planeie e estruture as refeições que necessita de confecionar ao longo da semana para todo o agregado familiar. Só assim saberá, em última análise, aquilo que precisa mesmo de comprar.
  • Faça uma lista de compras em função das receitas dessas refeições, tendo muito bem presente que produtos já tem em casa e quais precisa de adquirir. Seja disciplinado e não fuja dela.
  • Não vá às compras com fome. O mais provável é comprar mais comida do que aquela de que realmente necessita na esperança de satisfazer o apetite.
  • Também não vá ao supermercado com muita pressa. Reserve algum tempo para comprar em consciência, estudar as rotulagens dos produtos e calcular bem as suas necessidades.
  • Pense bem se quer levar as crianças consigo ao supermercado: tudo depende da sua personalidade, do comportamento das crianças e da relação que tem com elas. A presença das crianças pode ser importante porque a ida às compras é uma oportunidade para educá-las na aquisição de produtos. Mas também pode constituir um fator de stress - e de maior despesa, se os pais se deixarem levar pelos pedidos impulsivos dos filhos.

 

Fonte: Observador online 01 de abril de 2023