Para fins de melhorar a sua experiência, este site usa atualmente cookies. Eu Compreendo
Página Inicial
<   ABRIL 2020   >
SEG TER QUA QUI SEX SAB DOM
1 2 3 4 5
6 7 8 9 10 11 12
13 14 15 16 17 18 19
20 21 22 23 24 25 26
27 28 29 30 1 2 3

Bolachas e biscoitos sem glúten ou lactose têm alto teor de gordura e de sal

Bolachas e biscoitos sem glúten ou lactose têm alto teor de gordura e de sal
20 de Janeiro de 2020

Os produtos de pastelaria sem glúten e/ou sem lactose são cada vez mais procurados pelos portugueses, muitas vezes só por serem considerados mais saudáveis, mas, afinal, têm teores de gordura e de sal que excedem os níveis recomendados. A bastonária dos nutricionistas avisa que quem não precisa destes alimentos por razões clínicas não deve consumi-los.


Um estudo, realizado por investigadores do Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge (INSA), analisou 12 produtos de pastelaria - vários tipos de biscoitos, bolachas, croissants, madalenas -, dos quais oito sem glúten e quatro sem glúten e sem lactose.


As análises revelaram que o teor de gordura total variou entre 7,05 e 28,4 gramas (g) por cada 100 g para "os biscoitos tipo champanhe" e as madalenas, respetivamente. Os autores notam que a dose de referência para a ingestão de gordura num adulto é de 70 g por dia, o que significa que uma madalena (30 g) corresponde a 12% da dose diária. A ingestão de alimentos ricos em gordura aumenta o colesterol e o risco de doença coronária.


83% COM SAL A MAIS

Relativamente ao sal, 83% das amostras avaliadas apresentaram um teor superior a 0,3 g/100 g. O estudo recorda que, para a Estratégia Integrada para a Promoção da Alimentação Saudável e de acordo com os regulamentos europeus, os alimentos só são baixos em teor de sal se não excederem as 0,3 g de sal/100 g. As "bolachas tipo crackers" sem glúten têm quatro vezes mais: 1,22 g/100 g.


"O consumo excessivo de alimentos ricos em sal está relacionado com o aumento do risco para desenvolvimento de doenças crónicas, tais como a hipertensão arterial", pode ler-se na investigação publicada no boletim Observações, do INSA.


Em conclusão, os investigadores alertam que "as alterações necessárias à formulação deste tipo de alimentos podem ter um impacto significativo na sua qualidade nutricional e segurança" e chamam a atenção para a necessidade de se definirem "estratégias para a reformulação destes alimentos sobretudo porque frequentemente são considerados mais saudáveis pelo consumidor por serem isentos de glúten e/ou lactose".


A bastonária da Ordem dos Nutricionistas saúda a existência de uma cada vez maior variedade de produtos sem glúten e sem lactose para quem tem sensibilidade e intolerância a estas substâncias, mas alerta que "quem cai na moda de procurar estes produtos sem ter necessidade não deve fazê-lo". Alexandra Bento considera que "quem deles necessita deve munir-se de mais informação para poder fazer escolhas saudáveis".



A quem se destinam

Os alimentos sem lactose destinam-se a pessoas intolerantes à lactose, da mesma forma que os isentos de glúten só devem ser consumidos por doentes celíacos e pessoas com sensibilidade ao glúten.


Consumo a crescer

A variedade de produtos sem glúten e sem lactose disponíveis no mercado aumentou nos últimos anos, evidenciando uma tendência de consumo crescente.


Sal e gordura

O estudo do INSA mostrou também que há uma tendência para os alimentos com menor teor de gordura terem maior teor de sal e vice-versa.


Contraste nas waffers

As bolachas tipo "waffers" de baunilha e as de cacau sem glúten têm menos de 0,2 g/100 g de sal, mas aproximam-se das 25 g/100 g de gordura.


Biscoitos areados

Os biscoitos areados com nata e cacau sem glúten e sem lactose têm mais de 20g/100 g de gordura e quase 0,6 g/100g de sal.


Bolacha Maria

A bolacha tipo Maria sem glúten e sem lactose excede o teor de sal recomendado (0,8g/100 g) e tem elevado teor de gordura 18g/100 g, revela o estudo.




Fonte: Jornal de Notícias, online e versão impressa,