Página Inicial
<   MARÇO 2018   >
SEG TER QUA QUI SEX SAB DOM
1 2 3 4
5 6 7 8 9 10 11
12 13 14 15 16 17 18
19 20 21 22 23 24 25
26 27 28 29 30 31 1

Dia Mundial da Alimentação 2013

Dia Mundial da Alimentação 2013
16 de Outubro de 2013

MENSAGEM DA ORDEM DOS NUTRICIONISTAS PARA O DIA MUNDIAL DA ALIMENTAÇÃO
16 DE OUTUBRO DE 2013


O Dia Mundial da Alimentação é celebrado todos os anos desde 1945, no dia 16 de outubro, dia em que a foi criada a Food and Agriculture Organization (FAO) das Nações Unidas.
A partir de 1981, foram atribuídos temas a esta celebração, de forma a chamar atenção sobre áreas específicas onde a atuação seja premente.

O tema selecionado para o ano de 2013 é Sustainable Food Systems for Food Security and Nutrition (Sistemas Alimentares Sustentáveis para a Segurança Alimentar e Nutricional) com o intuito de salientar a importância que os Sistemas Alimentares desempenham ou poderão desempenhar na alimentação humana mundial.

Segundo dados da FAO, atualmente cerca de 870 milhões pessoas pelo mundo apresentam desnutrição crónica, onde 165 milhões são crianças abaixo dos 5 anos de idade que nunca atingirão o seu potencial físico e cognitivo total.
Mundialmente, cerca de 2 mil milhões de pessoas apresentam deficiências vitamínicas e minerais essenciais para o bom estado de saúde, 1,4 mil milhões apresentam excesso de peso e destes 1/3 apresenta obesidade, responsável pelo aumento do risco cardiovascular, diabetes e outros problemas de saúde.

Atualmente, todos estes estados de malnutrição impõem custos elevados à sociedade, quer através de perda de produtividade quer como custos diretos de saúde, podendo ser responsáveis por despesas globais na casa dos 5% do orçamento.

Acabar com a desnutrição mundial é um grande desafio mas o retorno do investimento seria bastante elevado. Se a comunidade global investisse 1,2 mil milhões de dólares americanos por ano, durante 5 anos, no combate da redução de deficiências de micronutrientes, seria capaz de gerar melhorias gerais no estado de saúde mundial, menor taxa de mortalidade infantil e ganhos anuais no valor de 15,3 mil milhões de dólares americanos, uma relação custo-benefício de 1 para 13.

Por todo o mundo, os nutricionistas, na tentativa de evitar um desequilíbrio nutricional, recomendam, entre outras coisas, que alimentação seja variada, sendo este parâmetro um dos pontos fulcrais para garantir uma alimentação adequada.

Modelos insustentáveis de sistemas alimentares são barreiras ao cumprimento desta indicação. Os sistemas alimentares são constituídos pelo ambiente, pelas pessoas, instituições e processos que vão desde a produção ao consumo dos alimentos e tendo todos os intervenientes impacto na disponibilidade e acessibilidade final e por consequência na capacidade de escolha do consumidor por uma alimentação saudável.

As políticas e intervenções nos sistemas alimentares, raramente são desenhadas tendo a nutrição como objetivo primário, sendo pensadas muitas vezes para o efeito imediato, sem a tomada de consciência dos benefícios oferecidos a longo prazo por uma dieta nutricionalmente equilibrada e introduzida por um sistema alimentar que funcione bem.

Claro que existem outros fatores, para além do sistema alimentar funcional, que apresentam um peso elevado nas escolhas alimentares, tais como o rendimento familiar, os preços e o conhecimento do consumidor, mas, inevitavelmente, o combate à malnutrição necessita de um sistema alimentar integrado onde intervenções sobre a agricultura, gestão dos recursos naturais, saúde pública e educação e domínios políticos mais amplos sejam tomados em conta.

A criação de sistemas alimentares mais focados na parte nutricional de forma a que alimentos mais diversificados se apresentem disponíveis e acessíveis à população poderá ser umas soluções para a situação atual, mas sem descurar a necessidade de educar o consumidor a efetuar escolhas alimentares mais saudáveis.


PORTUGAL

A problemática da insegurança alimentar não afeta apenas países mais pobres. A disponibilidade limitada ou incerta de alimentos seguros e nutricionalmente adequados ou a capacidade limitada ou incerta de aquisição de alimentos de forma socialmente adequada afeta também países mais ricos.

Apesar da temática ser de extrema importância existem poucos estudos que reflitam sobre a situação de Insegurança Alimentar em Portugal.

Recorrendo aos dados do 4º Inquérito Nacional de Saúde de 2005-06, Amaral et al. indicam que a prevalência de insegurança alimentar no nosso país é 15,9%.
Em 2012, o estudo de Graça P. et al. intitulado “Avaliação da Insegurança Alimentar em Agregados Familiares Portugueses” e apresentado no Rio de Janeiro, na Conferência Internacional World Nutrition, identificou uma maior prevalência desta condição na região do Algarve e Lisboa e Vale do Tejo. Sinalizando também os indivíduos analfabetos, os indivíduos em situação de desemprego e os estudantes como grupos risco, estando mais propensos a Insegurança Alimentar.



MENSAGEM DA ORDEM DOS NUTRICIONISTAS

A Ordem dos Nutricionistas subscreve as mensagens chave apresentadas pela FAO:

  1. Um bom estado nutricional depende de uma alimentação saudável;
  2. Uma alimentação equilibrada requer um sistema alimentar saudável complementado com educação, saúde e saneamento, entre outros fatores;
  3. Os sistemas alimentares saudáveis são possíveis através de políticas adequadas, incentivos e gestão equilibrada;

Com o objetivo de promover o Direito Humano a uma Alimentação Adequada.

Alexandra Bento,
Bastonária da Ordem dos Nutricionistas